A Exploração do Pau-Brasil

Prof.º Leonardo Castro

O pau-brasil, assim chamado pelos europeus, crescia naturalmente em quase todo o litoral brasileiro, na mata Atlântica. Sua exploração, feita com base no trabalho dos indígenas, constituiu a primeira atividade econômica da nova colônia portuguesa na América, o Brasil.




O corte das árvores e o seu transporte para os navios eram feitos pelos indígenas. Em troca, eles recebiam roupas coloridas, espelhos, canivetes, facas, etc.


O pau-brasil só podia ser explorado com a autorização do rei de Portugal. Por isso o pau-brasil era um monopólio do rei.




Regimento do pau-brasil – 1605.

Paragrafo 1. Primeiramente Hei por bem, e Mando, que nenhuma pessoa possa cortar, nem mandar cortar o dito páo brasil, por si, ou seus escravos ou Feitores seus, sem expressa licença, ou escrito do Provedor mór de Minha Fazenda, de cada uma das Capitanias, em cujo destricto estiver a mata, em que se houver de cortar; e o que o contrário fizer encorrerá em pena de morte e confiscação de toda sua fazenda.





Corte e transporte de pau-brasil por indígenas. Baixo-relevo em madeira, 1530.




Mapa Terra Brasilis, imagem bela e bucólica do Brasil no primeiro século, onde se observa a fauna, a flora e os indígenas sendo explorados para extração do pau-brasil. Atlas Miller de Lopo Homem, 1515-1519.




Como essa atividade não exigia que os europeus se fixassem na América, nos primeiros trinta anos os portugueses não construíam povoados, apenas construções fortificadas, as feitorias, no litoral do país, para a defesa e armazenamento do pau-brasil e outras mercadorias tiradas da terra.


Logo em seguida ao descobrimento, praticamente toda a vegetação atlântica, localizada no litoral do Brasil, foi destruída devido à exploração intensiva e desordenada da floresta. O pau-brasil foi o principal alvo de extração e exportação e hoje está quase extinto, ligando o país à destruição ecológica. Outras madeiras de valor também foram exauridas: sucupira, canela, jacarandá, jenipaparana, peroba e urucurana.


O encontro entre os habitantes da América e os europeus representou o confronto entre modos de vida totalmente diferentes, refletindo-se inclusive na exploração do pau-brasil. Um relato de Jean de Léry, cronista francês que esteve na América no século XVI, com um tupinambá, é bem revelador sobre o estranhamento do indígena diante do fato de os europeus vierem de tão longe buscar uma madeira.





Texto e Contexto


Relato de Jean de Léry:

“Uma vez um velho perguntou-me:
- Por que vindes vós, outros, maíres e perôs [franceses e portugueses], buscar lenha de tão longe para vos aquecer? Não tendes madeira em vossa terra?
Respondi que tínhamos muita, mas não daquela qualidade, e que não a queimávamos, como ele supunha, mas dela extraímos tinta para tingir, tal qual o faziam eles com os seus cordões de algodão e suas plumas.
Retrucou o velho imediatamente.
- E por ventura precisas de muito?
- Sim – respondi-lhe –, pois em nossa terra existem negociantes que possuem mais panos, facas, tesouras, espelhos e outras mercadorias do que podeis imaginar. E um só deles compra todo o pau-brasil com que muitos navios voltam carregados.
- Ah – retrucou o selvagem – tu me contas maravilhas, mas esse homem tão rico de que me falas não morre?
- Sim – disse eu -, morre como os outros.
- E quando morrem para quem fica o que deixam?
- Para os seus filhos, se os têm – respondi -, na falta destes, para os irmãos ou parentes mais próximos.
- Na verdade – continuou o velho, que não era nem um tolo -, agora vejo que vós outros maíres sois grandes loucos, pois atravessais o mar e sofreis grandes incômodos e trabalhais tanto para amontoar riquezas para vossos filhos ou para aqueles que vos sobrevivem. Não será a terra que vos nutriu suficiente para alimentá-los também? Temos pais, mães e filhos a quem amamos; mas estamos certos de que depois de nossa morte a terra que nos nutriu também os nutrirá, por isso descansamos sem maiores cuidados.”
(Jean de Léry. Viagem à terra do Brasil. In: Índios do Brasil. São Paulo: Hucitec, 1980. pp. 199-200.)

13 comentários:

  1. EU QUERO SABER COMO ELES AMAZENARAN O PSL BRASIL

    ResponderExcluir
  2. Oi Laiane!
    Posso te ajudar?
    Eles construíram armazéns no litoral, aos quais chamaram de feitorias. Era nas feitorias que eles armazenavam o pau-brasil até que fosse embarcado para a Europa.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  3. identificar na sociedade brasileira atual a herança dos quases quatro seculos de escravidao

    ResponderExcluir
  4. EU QUERIA SABER O TIPO DE CULTIVO DO PAU BRASIL E O PERIODO ME AJUDEM POR FAVOR.

    ResponderExcluir
  5. EU GOSTARIA DE SABER QUAL E ATUALMENTE A UTILIDADE DO PAU BRASIL?

    ResponderExcluir
  6. hoje em dia ainda existe o cultivo do pal Brasil?

    ResponderExcluir
  7. Zilda, Andre e Criança

    A utilização do pau-brasil na tinturaria de tecidos foi substituida por corantes químicos. Assim não há mais emprego do pau-brasil para fins industriais, sendo apenas usado em pesquisas de medicamentos (filoterápicos). Por outro lado a Lei Brasileira proíbe o bate de pau-brasil, constituindo-se em crime o seu corte e o uso da sua madeira.

    O pau-brasil não era cultivado. Sua exploração era por extrativismo, o que acabou com a sua vasta ocorrencia na Mata Atlantica, sendo hoje espécie sujeita a extinção. Sim, ainda hoje há cultivo de pau-brasil para efeito de reflorestamento e preservação da espécie

    ResponderExcluir
  8. eu queria saber Porque o Rei de Portugal se convenceu de que seria melhor colonizar as terras americanas?

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Eu acheei muito entereçante '-'

    Thaais Manú ...

    ResponderExcluir
  11. quer Parte do mapa Brasilis ,o cartografo usou mas a imaginação do que o conhecimento ?

    ResponderExcluir
  12. Não entendi Vitoria.
    Poderia me explicar?

    ResponderExcluir