Democracia e Populismo: JK, Jânio e Jango

Prof. Leonardo Castro



A queda do Estado Novo abriu caminho para a democratização do Brasil no pós-guerra. De várias formas e em maior ou menor grau, os vários governos que sucederam a Era Vargas continuaram a praticar a “política de massas”, afirmando seus compromissos “com o povo”, mais do que com seus partidos e programas. Essa prática populista ajustou-se bem à situação do país, no momento em que crescia rapidamente a população urbana. Era principalmente às massas proletárias urbanas que o populismo se dirigia.




O governo JK e o Desenvolvimentismo


O ponto central do governo de Juscelino Kubitschek (1956-1960) foi o Plano de Metas, com o qual o presidente JK prometia ao povo brasileiro fazer o país crescer “cinqüenta anos em cinco”. Tratava-se de um plano de desenvolvimento econômico em setores-chaves da economia, como energia, transporte, indústria de base e de bens de consumo. Um dos maiores êxitos do Plano de Metas foi a aceleração do crescimento da indústria automobilista.

Uma das marcas do governo JK foi sem dúvida a construção da capital brasileira, Brasília. A inauguração da nova capital federal, em 21 de abril de 1960, foi um dos marcos dos anos JK e um fator de estímulo à integração nacional a partir do Centro-Oeste brasileiro.

No Plano de Metas, o desenvolvimento industrial estava centrado na produção de veículos, principalmente automóveis. A indústria automobilística do ABC paulista foi a grande alavanca que impulsionou a industrialização brasileira nos anos 50 e 60.



JK na fábrica da Vemag em 1956.


Contudo, o governo de JK estava mais voltado para o incentivo à indústria automobilística do que para as carências e necessidades da população.




Charge faz crítica à política industrial de JK, jornal Ultima Hora, 15 de dezembro de 1956.



Para se ter uma idéia, o investimento para o transporte, sistema ferroviário, pavimentação de rodovias, etc., representava 28% do investimento total do governo no país; o investimento no setor energético, para aumentar a produção de energia, fora de 48%. Já na Educação, o governo JK investiu somente 2,8%, para a manutenção e ampliação do ensino público; no setor da Alimentação, o investimento total do governo foi de 3,6%.

Curiosidade. Na cédula de Cem Cruzados, imagem do presidente, as estradas do país e central de energia elétrica, símbolos do governo JK; no verso da cédula, Brasília.






O Governo de Jânio Quadros


Em 1961 assumiu a presidência da República brasileira Jânio Quadros. Jânio foi o típico político populista. Seu método político de ação consistia no contato corpo a corpo com a massa de eleitores. Carismático, falava a linguagem que o povo queria ouvir. O símbolo de sua campanha foi a vassoura. Com ela, prometia ao povo varrer a corrupção que se alastrava pelo país.






Movimento de apoio a Janio Quadros, em 1960, com as vassouras nas mãos, simbolo do governo de Quadros.




Contudo, Jânio em poucos meses perdeu boa parte de sua base parlamentar no Congresso Nacional. Seu próprio partido, a UDN, o abandonou. Sob muitas críticas contra o seu governo, a 25 de agosto de 1961, em um bilhete manuscrito dirigido ao Congresso Nacional, anunciou sua renúncia à Presidência da República.



Renuncia de Jânio, revista Fatos e Fotos.




O Governo João Goulart


Com a renúncia de Jânio Quadros, assumiu a Presidência do Brasil João Goulart, o popular Jango. Desenvolvendo uma política populista de massas, Jango em meados de 1963, enviou ao Congresso Nacional o programa de Reformas de Base, com projetos de reforma agrária, tributária, urbana, bancária e educacional. Ainda em 1963, Jango aprovou o Estatuto do Trabalhador Rural (direitos trabalhistas no campo), apoiou a fundação da Confederação dos Trabalhadores Agrícolas (CONTAG) e criou o 13º salário.



Na cerimônia de posse, João Goulart recebe faixa presidencial.


Esta política populista de Jango, desagradou setores importantes da elite brasileira, principalmente a classe empresarial e militar.

Contra Jango e sua política populista, interessados em seu afastamento do governo, erguiam-se o empresariado, governadores dos estados, como Carlos Lacerda (Guanabara, atual Rio de Janeiro), Ademar de Barros (São Paulo), e partidos políticos como o PSD e a UDN.


Além disto, no contexto da guerra-fria, estavam contra Jango o Estado Maior das Foças Armadas do Brasil, o EMFA, e a embaixada dos Estados Unidos, inclusive com o apoio do governo norte-americano a um possível golpe de Estado no país.


Com a movimentação de tropas militares em Minas Gerais em direção ao Rio de Janeiro, em 31 de março de 1964, começava o golpe militar que perduraria no Brasil até 1985.

25 comentários:

  1. Jango, desagradou setores importantes da elite brasileira, principalmente a classe empresarial e militar.
    bjuuusss

    ResponderExcluir
  2. JK foi muito idolatrado pela midia porem não digo que ele foi essa excelencia toda.quem assistiu a mini serie da globo porem pode ter influencia de opinião bjusssss!!!!!!alô galera do 3ano C.E.M BJUSSSS

    ResponderExcluir
  3. de interessante neste texto so as imagens..

    ResponderExcluir
  4. Não só as imagens também o conteudo!!!!
    jana'EREM-PANELAS

    ResponderExcluir
  5. JK não foi idolatrado exatamente pela mídia, mas sim pela elite industrial brasileira, a qual sempre influenciou a maneira de se darem as notícias por aqui. O que se passou pro povo, então, foi o que era adequado aos interesses da elite econômica brasileira.

    ResponderExcluir
  6. (Maycon)Jango só veio a ser presidente com a renucia de janio quadro pois se ele não estivesse renuciado jango nunca seria presidente e como janio quadro já estava cansado do trono melhor disendo deu uma chance para o pobre dojango

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Toda essa corja,cujos partidos tem um objetivo comum:tomar o poder e,privilegiar a classe que está no topo da pirâmide da hierarquia social.O pobre fica a margem,sem opotunidade para melhorar a sua situação socio-economica...os políticos desrespeitando a nossa Constituição.

    ResponderExcluir
  9. vaii ter um provão so por isso eu toõ lendo essa porra História é horrivel

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. issso tudo é um lixo, historia é tudo uma mentira e porque estudr mentira ?? historia na nossa vida só serve para quem quer ser professor ! ridculo ! lixo de materia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lixo é essa tua mentalidade!
      A história serve para podermos entender o porquê o mundo de hoje é assim. Estudando o que ocorreu antes se podem fazer muitas reflexões para se preparar melhor para o amanhã.

      Excluir
  12. eu concordo com o lucas, por que através da história nós saberemos, o que aconteceu no passado, saberemos a história de cada canto do mundo, vlw!!!

    ResponderExcluir
  13. Emtão pouco tempo Jânio Quadro fez mudança, foi querido pelo povo, porque de desiste do governo sem muita explicaçã para o eleitorais. realmente o que aconteceu de verdade?

    ResponderExcluir
  14. Jânio foi um populista estúpido que nada fez além de beber, aprovar biquínis em praia e dizer frases ridículas como: "Bebo porque é liquido, se fosse sólido comeria-lo." Inútil que não trouxa qualquer progresso além babaquisses, se eles saiu sem dar satisfação, ou é porque ele tava tão acomodado que ameaças e o silencio estavam o suprimindo, ou porque não tinha como explicar tamanha burrice.

    ResponderExcluir
  15. texto muito bom, explicou detalhadamente o que eu precisava!

    ResponderExcluir
  16. este texto é muito bom fala sobre os presidentes do século xx

    ResponderExcluir
  17. Janio teve como objetivo reduzir o deficit publico, diminuir os gastos sociais, e conter a inflacao, JQ adotou uma politica economica austera, ditada pelo FMI. Restringiu o credito e congelou os salarios, medidas que serviram para atear fogo no calendario das lutas socias. Renunciou devido a massa de trabalhores e a UND abandonaram-o.
    Obs: faltou ter comentado mais sobre o presidente.

    ResponderExcluir
  18. Janio teve como objetivo reduzir o deficit publico, diminuir os gastos sociais, e conter a inflacao, JQ adotou uma politica economica austera, ditada pelo FMI. Restringiu o credito e congelou os salarios, medidas que serviram para atear fogo no calendario das lutas socias. Renunciou devido a massa de trabalhores e a UND abandonaram-o.
    Obs: faltou ter comentado mais sobre o presidente.

    ResponderExcluir